Fallout 4, uma bela amostra do fim do mundo!

12/11/2015 19:15:37 1 / 0

É até engraçado apontar que algo tão catastrófico quanto uma hecatombe nuclear possa ser tido como belo, certo? Mas é assim em Fallout 4: o jogo tem uma atmosfera tão radioativa, tão artisticamente pensada em detalhes, que só vai faltar você entrar de verdade na pele do protagonista e único sobrevivente do Vault 111, abrigo fabricado pela empresa Vault-Tec em Boston, nos Estados Unidos, para proteger seres humanos (obviamente os de origem norte-americana) afetados pela guerra nuclear contra a China.

Duas coisas na história merecem grande destaque, inclusive por serem muito aguardadas desde a fase especulativa de desenvolvimento do título: o cão da raça pastor-alemão e uma versão aprimorada do bracelete Pip-Boy, peça que permite acesso constante aos dados vitais do personagem. É por isso que os jogadores devem ficar vidrados na sigla S.P.E.C.I.A.L., de "Strenght-Perception-Endurance-Charisma-Intelligence-Agility-Luck" (traduzindo para o português: Força, Percepção, Resistência, Carisma, Inteligência, Agilidade, Sorte).

Começando pelo simpático cachorro, quem controla o protagonista vai sentir o que é ter um companheiro de guerra extremamente competente: o animal (dá até dó de falar assim), ou o "melhor amigo do homem", responde a todos os comandos do dono. Coisa bacana é usar a mira para apontar para onde o cão deve ir ou para dizer a ele qual objeto pegar.

Já em relação aos atributos, o jogador pode decidir de que forma equilibrar suas habilidades. Um bom exemplo é o investimento de pontos em inteligência: quanto mais você investe neste atributo, mais o protagonista se torna capaz de criar instrumentos de sobrevivência.

Na prática, Fallout 4 não chega a ser o game revolucionário da série, mérito que provavelmente estará garantido para sempre ao antecessor Fallout 3. O que se pode dizer é que o quarto título dá um upgrade nos elementos fundamentais que conquistaram fãs pelo mundo, o que é bom, visto que a fórmula de Fallout parece não envelhecer com facilidade.

Um dos pedidos dos fãs que a Bethesda atendeu foi o de dar mais liberdade para que os jogadores possam tomar suas próprias decisões ao longo do caminho. A verdade é que Fallout 4 apresenta a essência de uma produção de 'mundo aberto', mas sem exagerar. Em outras palavras, quem joga não vai se deparar com o lado fetichista de um The Witcher 3, enorme, mas pelo menos dá para garantir que o território explorável de Boston é muito mais amplo do que o da cidade de New Vegas (palco do jogo anterior).

O bacana de explorar a Boston radioativa é que todos os cantos escondem marcas do passado. Para quem gosta de história e de juntar peças de quebra-cabeça, é um prato cheio. Um exemplo livre de spoilers: até mesmo os corpos espalhados pelos cenários e determinados objetos podem deixar saudades do que seria o mundo antes da guerra, uma espécie de breve respiro para a realidade a ser enfrentada, a de uma Commonwealth dominada por facções.

Uma dica: não deixe de explorar as ruínas de uma editora de quadrinhos que pode ser avistada pelo caminho. É como entender que a cultura de um povo é um bem precioso demais para cair em desgraça, para acabar evaporando por causa de bombas nucleares.


E para quem nunca jogou Fallout?

Quem nunca jogou um título da série não vai precisar se preocupar tanto com a questão do enredo. A história é como uma nova temporada, com um sistema próprio e com muitas horas de partida - pode chegar a mais de 100 horas dependendo da curiosidade da pessoa. Quem gosta, por exemplo, de simulação, vai poder aproveitar a criação de bases próprias, focando no planejamento da defesa e do comércio.

Se o jogador for do tipo que gosta de deleite visual para além do universo urbano, o jogo traz uma variedade imensa de paisagens, como florestas, pântanos e até desertos.


O que é bom no jogo

- Vasto mundo para explorar (território muito maior do que o do game anterior);

- Personalização de habilidades muito mais bem servida;

- "Cãopanheiro" fiel e com boa inteligência artificial;

- Inimigos com identidade presente (não são meros monstros sem rosto);

- Ambientação melancólica de verdade;

- Muitas horas de jogo.


O que é ruim no jogo

- A animação dos inimigos poderia ser melhor (os movimentos são artificiais);

- A inteligência artificial dos inimigos poderia ser como a do cão.


Trailer oficial


Versão testada


Nota oficial: 9,4

BETA
Comente pelo facebook
Clique aqui para comentar pelo sistema do gameLib
Leia também
Por: c-henrique
Bakugan: Battle Brawlers | Playstation 2 | 18/07/2011 17:23:07 4 / 0
Por: c-henrique
Bakugan: Battle Brawlers | Playstation 2 | 18/07/2011 17:21:41 2 / 0
Ficha técnica
Gênero:
Adventure
Lançamento:
20/10/2009
Desenvolvedor:
Now Production
Distribuidor:
Activision
Plataforma(s):
PS2PS3WiiDS360
A História se concentra em um grupo de amigos que acham as cartas dos Bakugans caindo do céu. Eles resolveram então criar um grupo, denominado Bakugan Guerreiros da Batalha.
6.2
6.3
Quem já curtiu isso
Estamos no Facebook